Escrita

Vinte Perguntas Feitas a Uma Escritora

Janeiro 18, 2020

Curioso que me considero uma escritora, sonho com isso e inclusive tenho algumas histórias escritas. Sou uma escritora não publicada, e muito menos tenho leitores fãs. Em tempos já tive, durante alguns anos escrevi algumas histórias na plataforma Wattpad, lá por vezes sinto aquele curiosidade de voltar a escrever uma história e partilhar para alguém ler e dar a sua opinião. Contudo, e porque hoje em dia sou mais reservada à minha escrita, prefiro manter muitas das minhas histórias só para mim. A Marta do blogue Rain of Words e autora do livro Evanescente convidou-me a responder a vinte perguntas feitas a uma escritora.

Recomendo-te a leres a resposta da Marta a Vinte Perguntas Feitas a Uma Escritora.

1. Há quanto tempo é que escreves?

Escrevo mesmo desde os meus 10 ou 11 anos. Foi uma paixão que surgiu do nada, talvez aliada ao amor pelos livros e letras. Comecei por escrever em blogues, alguns textos de reflexão, mais tarde aventurei-me a escrever fanfiction e acabei por ganhar um amor pela escrita de ficção. Foi nessa altura que soube que queria realmente escrever um livro; que queria ser escritora.

2. Em que sítio gostas de escrever?

Quando se trata de escrever eu preciso de estar no meu cantinho de escrita. Não sei escrever em outro lugar que não seja na minha secretária. Já tentei escrever em cafés, noutros lugares da casa, mas nunca é a mesma coisa. E, sempre que me sento na secretária, é como se eu estivesse num compromisso. Portanto, acabo por conseguir focar-me mais no meu trabalho.

3. Qual é o teu género favorito para escrever?

Durante muito tempo um dos meus géneros preferidos para escrever, como já referi acima, era fanfiction. Entretanto passei a escrever alguns romances, e ultimamente tenho andado mais inspirada para escrever thrillers. O que me apetece escrever também muda conforme o que me apetece ler. Acaba por estar os dois interligados.

4. Onde ou como costumas ter mais ideias para escreveres?

Honestamente, acho que tenho ideias durante o dia quase todo. Por esse motivo tenho de andar sempre com um caderno e caneta atrás para anotar as ideias, se assim não for perco as ideias todas. Contudo, as minhas melhores ideias surgem durante a noite. Muitas das vezes estou a dormir e acordo do nada com uma ideia na cabeça, e são sempre boas ideias.

5. Escrever mais em computador ou à mão?

Escrevo a computador, mas para fazer a revisão de rascunho tenho de ter em formato físico e tirar notas à mão. Quando estudava eu escrevia à mão, estava nas aulas e em vez de prestar atenção às aulas acabava por escrever história ou excertos. Grande parte do meu secundário foi passada assim, mas não digam a ninguém.

6. Costumas ter bloqueios criativos? Se sim, como os ultrapassas?

Tenho imensos bloqueios criativos, mas normalmente não estão ligados com a falta de ideias ou preguiça. É mesmo ter tantas ideias, querer escrever todas e mais algumas, no final acabo por não escrever nada. A melhor forma que uso para ultrapassar estes momentos é encontrar a história ideal para trabalhar naquele momento. Faço um esforço para focar-me nela, vejo filmes ou leio livros relacionados com ela. Assim surge mais inspiração e vontade para escrever. Outra dica é escrever outro tipo de textos, se estou a escrever uma história intensa, gosto de escrever um conto totalmente diferente para desanuviar um pouco.

7. Que snacks e bebidas tomas enquanto escreves?

Não gosto de comer enquanto escrevo, mas enquanto faço revisões preciso de ter sempre algo para petiscar. Beber apenas água, preciso mesmo de ter uma garrafa de água a meu lado. Durante muito tempo bebi café enquanto escrevia, entretanto perdi essa mania.

8. Que tipo de música ouves enquanto escreves?

Bem, gosto de ouvir de tudo um pouco. Mas, depende da história que estou a escrever no momento. Tanto posso estar a ouvir uma música alegre, como ouvir música mais triste. Inclusive eu faço um género de playlist com as músicas que oiço enquanto estou a escrever uma história, ajuda-me imenso a focar-me na história mais tarde quando precise de voltar a ela.

9. Tens alguma rotina de escrita? Se sim, qual é?

Se eu não tivesse uma rotina de escrita, coitada de mim. Bom, a minha rotina é bem simples, gosto de acordar cedo e escrever pelo menos 1500 palavras, no mínimo. Depois vou ler ou fazer outra coisa qualquer. Depois durante a manhã volto a escrever mais 1500 palavras, e caso sobre tempo ainda escrevo mais ao final da tarde. Por norma não escrevo à noite, só se estiver mesmo muito inspirada. Gosto de escrever todos os dias, e este ano decidi dar-me uma meta diária de 5 mil palavras por dia.

10. Que personagem tua gostavas de ser?

Não devia estar a falar das minhas personagens, principalmente agora, mas se tivesse de escolher uma personagem talvez seria Alan Cornwalk, é das personagens mais parecidas a mim. Desde a sua personalidade a forma de estar, tem muitos detalhes que foram inspirados em mim. Só espero não vir a mudar de ideias e mudar a sua personalidade (risos).

11. Em que obra tua gostarias de viver? 

As poucas obras que escrevi, acho que é complicado escolher uma para viver. Se tivesse realmente de escolher, acho que gostaria de viver na minha obra Chocolate, é das histórias que mais me emociona e a que mais vezes quero entrar na história para abraçar as personagens. Além do mais, é uma história que mexe muito com os sentimentos e os cenários são demasiado convidativos.

12. Qual é o(a) teu/tua escritor(a) favorito(a)?

Passei anos sem conseguir identificar-me com qualquer escritor que fosse. Até que em 2016 encontrei finalmente o meu escritor preferido: Stephen King. Admiro-o pela sua forma como consegue tornar uma simples personagem em alguém tão real, alguém que o leitor consiga facilmente apegar-se e nutrir sentimentos por ele. A forma como ele narra a história, como tem uma escrita cativante e as suas ideias que ninguém sabe de onde surgem. É o escritor com o qual mais me identifico, seja pelas suas histórias incríveis ou pela sua escrita talentosa.

Como Ler Todos os Livros do Stephen King?

13. NaNoWriMo é um sim ou um não?

Sinceramente, é um não para mim. Já participei algumas vezes e não tirei nenhum proveito. Escrever todos os dias durante um mês? A ideia é boa para ajudar a desenvolver uma ideia, mas isso comigo não funciona, não pelo menos como a forma como eu escrevo. Um dia ainda gostava de participar, talvez nem que fosse por brincadeira. Começar a escrever uma história sem qualquer planeamento e ver até onde iria dar. Mas, e momento é um não para mim.

14. Escreves espontaneamente ou planeias como queres que o livro se desenvolva?

Sou um pouco dos dois. Há histórias que sinto a necessidade de planear tudo até ao mínimo detalhe, são géneros que precisam de seguir certas linhas de pensamento e rumo. Contudo, muitas das vezes acabo por escrever algumas histórias sem ter nenhum plano em mente. Enquanto estava no Wattpad fazia isso sempre, quando tinha de escrever um novo capítulo limitava-me a escrever a ver onde iria dar, e resultou comigo.

15. Qual é a tua maior distração enquanto escreves?

Sou uma pessoa que precisa de música para escrever, portanto acabo por distrair-me imenso enquanto escrevo. Para além dessa distração sofro do mesmo problema de muitas pessoas: não conseguir ficar muito tempo longe do telemóvel. Quando quero focar-me mesmo em escrever eu coloco o telemóvel o mais longe de mim.

16. Gostas de escrever coisas entre-as-linhas ou gostas de ser direto(a) com a tua escrita?

Gosto realmente de ser direta. Não há cá de escrever entre-as-linhas, principalmente quando se trata do primeiro rascunho. Faço-o apenas quando estiver a fazer revisões à história.

17. Já tens alguma coisa publicada (seja online, seja fisicamente)?

Bem, tenho algumas histórias publicadas no Wattpad, histórias essas que hoje em dia não me identifico mais com elas, e inclusive tenho certa vergonha de as ter publicadas lá. Mudei imenso desde aquela altura, melhorei a minha escrita e tenho ideias mais originais. Agora publicar em físico penso que só daqui a alguns anos.

18. Qual foi a primeira coisa que te lembras de escrever?

A primeira coisa que me recordo de escrever foram textos de reflexão, escrevia muito sentimentos e tudo aquilo que me ia na alma. Depois disso então passei para a ficção. Apesar de por vezes andar a vaguear muito entre os dois géneros, tenho preferência para escrever ficção.

19. Se pudesses ter um super poder qualquer ou se pudesse inventar um, qual seria?

Gostava de ter o super poder de não distrair ou de não desmotivar a qualquer complicação. Sou uma pessoa que desmotiva muito facilmente, com muita pena minha. Adorava não ser assim, mas resta-me aceitar.

20. Porque é que escreves?

A pergunta para um milhão de euros. Bem, porque escrevo? É uma questão complicada, escrevo porque gosto. Acima de tudo é na escrita que encontro uma maior ligação com as letras. Apesar de gostar de ler, admirar muitas obras, sei que na escrita encontro um refúgio ainda maior. Sem a leitura não posso ser escritora, isso é inegável. Escrevo como forma de esquecer os problemas, sair deste mundo cruel e encontrar onde eu posso ser criativa até dizer chega. Com a escrita encontro conforto, e é a escrever que eu realmente sou eu. A escrita é parte de mim, assim como os livros. Está-me no sangue.

Apesar de por norma neste tipo de tag ser suposto identificar alguém para responder, vou optar por não o fazer. Para além de que não conheço assim tantos escritores, e os que conheço certamente não terão interesse em responder a esta tag, têm tarefas mais importantes – não é Stephen King? – portanto, sintam-se livres para responder caso seja do vosso interesse.

Honestamente, nunca pensei vir a falar de mim como escritora. Conhecem-me aqui como leitora ávida, e dar-me a conhecer como escritora é deveras estranhos. É o meu outro lado, espero que tenham gostado.

Compra o livro “Evanescente” da Marta em Wook.pt!

    Deixar uma resposta