Desenvolvimento Pessoal Lifestyle

Como Saber Que Aspetos da Nossa Vida Temos de Melhorar?

Dezembro 9, 2019
Como Saber Que Aspetos da Nossa Vida Temos de Melhorar?

Chega um novo ano e a necessidade de dar uma reviravolta na nossa vida aparece. Podemos ter a vontade, e esse é o primeiro passo para mudar, porém acabámos por não saber ao certo por onde começar. Falo por experiência própria, dei por mi ao longo dos anos a fazer resoluções de ano novo que nada tinham a ver comigo e com aquilo que queria. Sem dúvida que tenho mudado imenso, e muitas dessas mudanças deveram-se a simples atitudes que tomei e que tiveram grande impacto na minha vida. Hoje partilho com vocês algumas dicas de como podem analisar o vosso ano e preparar-se para o próximo. Ajudo-vos assim a saber que aspetos da vossa vida têm de melhorar.

Como Saber Que Aspetos da Nossa Vida Temos de Melhorar?

Analisar os anos anteriores

Antes de partimos para a dita ação, precisámos de saber ao certo o que não correu conforme planeado nos anos anteriores. É uma tarefa que faço bem cedo, não faço nos últimos dias do ano, nem nos primeiros do novo ano. É uma tarefa que exige algum tempo, a intenção é realizar momentos de reflexão. Primeiro que tudo gosto de ver quais eram os objetivos para o ano, o que consegui cumprir e o que não consegui cumprir, e o porquê. Gosto de escrever tudo, consigo pensar melhor no papel, e no final de tudo simplifica a vida. Depois anoto que objetivos eu voltava a querer cumprir no ano novo e quais os que não voltava a cumprir.

Agora, temos já alguns objetivos prontos. Recomendo-vos a ter essa lista bem organizada, e acima de tudo, precisam de ter noção que podem ou não vir a usar esses objetivos como resoluções do próximo ano. Eu, por exemplo, muitas das vezes acabo por colocar apenas um objetivo da lista enorme de objetivos do ano anterior. A ideia é arranjar objetivos consoante as nossas necessidades e prioridades.

Definir prioridades e objetivos

Chega a parte mais complicada. Decidir as nossas prioridades. É o passo que me coloca mais medo, tenho de admitir, exige muito de mim. As minhas principais prioridades vão sempre para família, saúde, carreira e sonhos. Depois sou mais específica na hora de definir as prioridades, por exemplo, este ano pretendo mudar de emprego, ou criar um fundo de poupança. De certo modo odeio este passo porque no fim acabo com uma lista enorme de prioridades e objetivos que quero cumprir no próximo ano.

Infelizmente, não podemos cumprir tudo o que queremos. É importante termos noção das nossas capacidades e daquilo de que realmente somos capazes de cumprir em doze meses. Nesta fase, após ter a lista enorme preparada, escolho pelo menos três objetivos de cada prioridade. Por exemplo, escolho três objetivos relacionados com saúde, outros três relacionados com família, carreira e sonhos. Porquê esta separação? Assim, acabo com cerca de doze objetivos, acabo por fazer durante o ano a melhor separação para ambos.

Como organizar e planear objetivos e prioridades?

Imaginemos que quero mudar o meu estilo de vida, quero ser mais saudável. Coloco-o no primeiro trimestre do ano, assim no final do primeiro trimestre tenho de ter o cumprido ou pelo menos estar perto de o cumprir. Outro exemplo pode ser eu querer criar um projeto, pode exigir mais de mim, por isso digo que o vou cumprir durante o segundo semestre do ano, que é quando terei mais tempo livre. Gosto de organizar as prioridades e objetivos conforme o tempo que irão demorar a concretizar, assim como o tempo livre que tenho.

Agora noutro caso, vamos imaginar que quero escrever um livro. Não é nada que possa realmente ter uma data, é uma tarefa que provavelmente terei de fazer durante o decorrer do ano. Neste caso eu o coloco como um objetivo a longo prazo, mas na hora de escolher outro objetivo nunca coloco um que demore assim tanto tempo para concluir. Assim, sei que não me terei de preocupar com outro objetivo longo. Há objetivos que por norma demoram menos tempo, como o caso de que posso querer renovar o meu quarto, então escolho um mês para dedicar-me pura e exclusivamente a isso. Realmente é necessário saber ver quais objetivos podem demorar mais tempo que outros.

Se quiseres ser uma pessoa mais saudável, talvez tenhas de colocar esse objetivo como a longo prazo. Caso queiras aprender uma nova língua, tanto pode demorar alguns meses como chegar a um ano. Imaginemos que queres até tirar algum tempo para ti, será que um mês chega? É preciso refletir muito, este tipo de planeamento nunca é tarefa que dure apenas um dia. Precisámos de passar alguns dias a pensar no assunto, e no final, acabamos por fazer algo totalmente diferente do que tínhamos em mente.

Como saber quais os pontos da nossa vida a mudar?

Houve um ano em específico que disse a mim mesma que iria mudar, mas uma mudança radical. Não foi um corte de cabelo, nem mudar de casa. Foi mudar interiormente. O primeiro passo que dei foi aprender mais sobre isto de ser melhor pessoa, de ser a melhor versão de ti próprio. Li imensos livros, uns ajudaram-me e outros nem tanto. Porém, houve algo em específico que me ajudou. Um género de roda da vida onde classificamos cada aspeto da nossa vida, desde qualidade de vida, profissional, relacionamentos e pessoal.

Como o nome indica trata-se de um roda, com classificações de 1 a 10 (1 é mau e o 10 muito bom), há casos de rodas que vão apenas de 1 a 5. A ideia chave é preencher consoante aquilo que achamos que está a nossa vida, por exemplo, acho que a minha saúde de 1 a 10 está um 4. Bom, neste caso tenho de fazer algo para melhorar. Temos ainda relações pessoais, como família ou namorados. Recomendo-vos a imprimir duas rodas, uma preenchem com o que sentem no momento, e na outra preenchem conforme pretendem que esteja no final do ano. Para além disso, aconselho-vos a meio do ano fazerem um género de revisão, assim veem o que já melhoraram ou que precisam de melhorar.

Na minha opinião é a melhor forma de ganharmos noção de quais aspetos da nossa vida precisam de mais atenção da nossa parte. Será que precisámos de melhorar as nossas relações pessoais, ou tratar da nossa carreira? Sejam sinceros, não queiram sonhar mais alto do que realmente podem.

Aqui podes encontrar a roda da vida que eu utilizo: Roda da Vida

Aceitar que nem tudo é como queremos

Podemos planear, mas sempre com a perfeita noção que imprevistos acontecem. O primeiro passo é querer, o segundo passo é começar a fazer e o terceiro passo é aceitar imprevistos. Podemos até planear tudo, todos os segundos, mas haverão sempre imprevistos que nos farão mudar de estratégia. Nessas alturas temos de manter o foco e resolver a situação.

Para aprenderes um pouco mais de como podes realmente planear o novo ano, convido-te a leres esta publicação onde dou mais dicas sobre o assunto, de forma mais detalhada: Como Começar a Planear o Novo Ano

Em suma, para saber que aspetos realmente precisámos de melhorar ou mudar na nossa vida é necessário fazer alguma reflexão. Precisámos de fazer algumas perguntas a nós mesmos, saber onde estamos agora e onde queremos estar no futuro. É importante ter noção das nossas prioridades, de quem somos e do que realmente precisámos na nossa vida. Apesar de esta tarefa de refletir, causa algum constrangimento. É uma tarefa aborrecida, mas sem pensar no passado e nos erros que cometemos, não podemos evoluir e melhorar. Ao saber o que fizemos e não queremos fazer mais, ajuda saber o que podemos ou não no futuro vir a gostar.

Sem pressões e sem qualquer obrigações, planear um novo ano deve ser uma tarefa que façamos com gosto e motivação. Sem motivação para mudar, não vamos longe. Podemos até ambicionar ser alguém, mas se ficarmos sentados à espera, nunca o seremos.

    Deixar uma resposta