Literatura Opiniões Literárias

Firestarter de Stephen King

Novembro 8, 2019

À medida que vou descobrindo novas obras do Stephen King, dou por mim a pensar na capacidade que este senhor tem para criar histórias tão macabras. Com o tempo, o autor só fica melhor. É incrível como ele conseguiu passar de Carrie (talvez o único dos livros de Stephen King que não gosto tanto), para algo tão grandioso como Firestarter. A evolução num par de anos foi incrível, e agora para as suas obras mais recentes ainda se nota mais a sua evolução. É caso para dizer que o autor com o tempo só fica melhor do que já era. A cada leitura surpreendo-me ainda mais, e nem sabia que isso poderia vir a ser possível. Sabia que iria apaixonar-me pelas suas obras, não esperava era adicionar um livro favorito à minha lista a cada obra do autor que eu leio.

Considero talvez este um dos meus favoritos de Stephen King deste ano pelo menos, adorei imenso o contexto da história, assim como criei um laço de amizade com as personagens. Não me canso de dizer que a melhor parte dos livros de Stephen King são mesmo as personagens que tornam toda a experiência de leitura tão real, não é o terror e o macabro que ele traz para os leitores que agarra, é a forma como ele torna a ficção em praticamente realidade. Dou sempre por mim a encontrar detalhes nas personagens únicos, que os diferenciam e tornam especiais. Considero que Firestarter tenha aquela pequena vibe de Carrie, verdade seja dita, este supera o primeiro livro do autor em muitos aspetos. Firestarter acaba por ser daqueles livros de Stephen King que não são tão falados quanto os outros, com muita pena minha, este livro deveria ser mais falado e lido, especialmente para aqueles que estão a começar a ler livros do autor. Honestamente, considero este livro melhor que o The Shining.

Para mim o mais assustador neste livro é realmente a criança, uma simples crianças, que tem tanto poder na sua mão. Imaginem só o quanto assustador isso deve ser? Já pensaram se fosse vocês? É uma personagem fora do comum e sabemos bem que crianças despertam sempre o nosso lado mais emocional. Foi uma bela de uma jogada por parte do Stephen King, uma das melhores formas de colocar logo o leitor a temer pela vida da personagem principal, a querer ler página atrás de página para saber o que poderia vir a acontecer com a menina e o seu pai. Tiro-lhe o chapéu Mr. King. Não posso deixar ainda de referir a forma como o autor conseguiu dar tanta vida a uma relação de pai e filha, acredito que o autor tenha colocado os seus próprios sentimentos no papel. A melhor parte do livro, é como o autor conseguiu construir uma história com base no medo de um pai pela filha, o valor da paternidade. Acho que é um dos pontos fulcrais da história e apela imenso às emoções, deixou-me devastada e com imensa pena das duas personagens.

Volto a referir o quanto este livro é realmente desvalorizado pelos fãs de thriller, acho que este livro deveria ser mais partilhado e incentivado à sua leitura. Posso dizer que temos aqui um clássico, temos aqui uma quase leitura obrigatória. Vocês perguntam: deste as cinco estrelas ao livro? Não, mas esteve lá perto. Fica pelas quatro estrelas e meia, isto pelo simples facto que houve outros livros do Stephen King que me tocaram de forma mais intensa.

Com uma escrita que nunca me canso de admirar, com um final incrível e personagens incríveis. É caso para dizer que Stephen King trouxe-nos mais um grande livro. Um livro ideal para os que estão a começar a explorar as obras do autor, se não ficaram fãs de Carrie, acredito que irão gostar muito mais deste. É um livro que não esquecemos, passa muitas mensagens, vivemos momentos inesquecíveis. Só queria ter mais para ler, só queria saber mais sobre as personagens. Sejam as personagens principais ou não, todas estiveram muito bem, conseguimos até criar uma espécie de amizade para com o vilão da história. Se não sabem que livro de Stephen King escolher, peguem neste livro. Vão voar pela história, ler capítulo atrás de capítulo e terminar com um vazio: vão querer mais, e não vão ter. Sem sombra de dúvida que está no meu top de livros do autor.

    Deixar uma resposta