Literatura Opiniões Literárias

Três Pequenas Mentiras de Laura Marshall

Outubro 16, 2019

Este livro não resultou de todo para mim. Acho que falhei no momento que coloquei tanta fé e confiança nesta história. O primeiro livro da autora continua na minha wishlist, Pedido de Amizade, porém, agora vou com menos expectativas. A quantidade de críticas positivas ao livro da autora fizeram-me acreditar que este segundo livro mereceria as quatro estrelas no mínimo. Enganei-me, redondamente. Ficou pelas três estrelas, mas foram três estrelas bem fraquinhas. Para conseguirem entender melhor o meu sofrimento com o livro: estou a arrastar a leitura deste livro desde Junho, JUNHO! É raro demorar tanto a ler uma livro, no máximo faço uma pausa de duas semanas e volto a pegar nele. Cheguei inclusive a desistir dele, só agora em Outubro ganhei coragem e peguei-lhe. Consegui ler as últimas duzentas páginas que me faltavam num par de horas, mas foi um tiro no escuro.

Este livro é mais um daqueles de um grupo de amigas, muita inveja entre elas, há uma mentira que destrói completamente a vida de um rapaz que ao que parece, quase todas tinham um fraquinho por ele. É daqueles enredos cheios de mentiras, com muito drama e nunca sabemos em quem confiar. Não foi fácil para mim lidar com o enredo por dois motivos: a personagem principal, que contava na maioria o que se passava – a Ellen – é a personagem mais chata que aborrecida que conheci. Achei daquelas personagens que facilmente são influenciáveis por alguém, que vivem sempre atrás de alguém. Notámos isso pelo percurso que tomou na vida, abandonou uma amiga de infância que passou por um trauma. Verdade, a vida dá voltas, mas há que saber pesar as novas e as amizades mais antigas.

A personagem que mais gostei foi sem dúvida o Daniel, desde o primeiro capítulo que tive conhecimento dele que o admirei pelo seu jeito. Escondia ali qualquer coisa, aquele rapaz misterioso. Contudo, ao longo da história ia perdendo o interesse nele, senti que queriam a todo o custo culpá-lo de tudo. A Sasha é mais uma personagem que podia muito bem desaparecer por completo que eu não sentiria a falta dela, uma personagem mimada, irritante e que usa todos para seu próprio proveito. O seu final deixou-me surpreendida, pois, pensei que haveria algo mais. Quando soube o que lhe aconteceu fiquei a pensar só isto. Merecia mais, algo mais dramático. Falo já do final que pareceu mais um conto de fadas, houve ali aqueles momentos de drama e quando finalmente descobriram a verdade ficaram todos surpreendidos, menos eu que descobri nem a meio quem era o culpado.

Pontos bons do livro? A Laura consegue ter uma escrita que assim que nos habituámos fluí que nem uma maravilha, os capítulos por norma não são muito grandes e isso facilita imenso a avançar na leitura. Apesar do enredo ser um pouco aborrecido, haviam capítulos completamente desnecessários que não vi acrescentarem qualquer informação ou significado à história, a escrita ajuda a que o leitor consiga terminar o livro. Se assim não fosse, eu já teria desistido do livro para sempre. Gostei de a autora estar constantemente a intercalar os capítulos, uma hora estamos no passado a viver acontecimentos anteriores ao grande finale, outros capítulos são da mãe dos Monktons. A Ellen é a principal narradora, não ajudou a mim a avançar na leitura, mas mais no final acabámos por ter a oportunidade de ver o ponto de vista de outras personagens (o que salvou por completo de entrar no livro e assassinar a Ellen).

O que me fez não gostar tanto deste livro como eu queria foram as personagens que achei demasiado infantis mesmo passados dez anos! Além do mais o enredo cheio de mentiras, com segredos e desconfia daquele para no final ser outro e ficar o leitor surpreendido, não resultou comigo. Há imensos thrillers que seguem esse formato, e muitos deles conseguem realmente ter esse efeito no leitor, mas começa a ser cansativo isso. Eu durante o livro todo senti que todos estavam a mentir, na minha opinião só faz com que eu desconfie de todos e não crie aquele laço de amizade com as personagens. Para mim, é muito importante criar um género de ligação com as personagens, é um ponto a favor para entrar na história.

Tenho a admitir que não é daqueles thrillers que mereça cinco estrelas, mas também não merece uma classificação de uma estrela. Acaba por ficar ali entre um meio termo, as três estrelas é a classificação ideal. Não é mau, mas podia ser muito melhor. Em breve pretendo ler o primeiro livro da autora, vou com expectativas mais baixas e quem sabe acabe por gostar mais do que este. Pelo menos assim espero. Caso tenham oportunidade leiam este livro da autora, gostaria de saber a vossa opinião. Tenho a referir que há pessoas que adoraram o livro, eu como leio tanto deste género, que por vezes é complicado surpreender-me com estas histórias cheias de mentiras atrás de mentiras.

    Deixar uma resposta