Lifestyle Produtividade

A Minha Relação Com A Produtividade

Outubro 14, 2019

A partir do momento que comecei a levar mais a sério isto do blogue que tenho dado imenso valor ao termo produtivo. É um termo que utilizo regularmente e dou por mim a ficar em baixo quando sinto que não fui tão produtiva quanto queria. Para mim o que significa ser produtivo para mim? É conseguir trabalhar durante algum tempo e produzir conteúdo de qualidade. Há várias vezes que dou por mim sentada à frente do computador e não me sinto de todo produtiva. Há dias e dias, e consoante o meu estado de espírito, muda a qualidade do meu trabalho.

É uma necessidade para mim ser produtiva todos os dias? Não, até porque não consigo dar-me a esse luxo. Como trabalho e não é na minha área de sonho, por mais horas que trabalhe, sinto que não sou produtiva pois não é no que eu gosto. Dou por mim a sentir-me mais feliz quando acordo cedo a uma segunda feira para criar conteúdo para o blogue, para escrever ou até mesmo, ler. Do que a passar 16 horas no mesmo trabalho. É uma questão de prioridades e gostos. Mas, não é realmente isso que importa.

Não sou produtiva durante o meu dia todo. Admito que até acabo por ser muito mais produtividade durante a parte da manhã, consigo adiantar muito mais conteúdo, planear mais ideias e escrever mais e melhor. O meu cérebro está mais fresco e preparado para pensar, enquanto na parte da tarde ele começa a dar sinais de cansaço e de querer simplesmente ficar de lado. Dou-me ao privilégio de descansar a mente durante a parte da tarde, depois do almoço dou-me ao luxo de ficar durante alguns momentos (ou horas) a ler. Ao final da tarde ainda acabo por voltar a escrever mais qualquer coisa, ou fico-me apenas por planear ideias. E isto no dias que me dedico apenas à escrita, há aqueles dias que preciso de tirar fotografias, assim como agendar e-mails. Não me canso desta rotina, gosto e chego ao fim do dia a sentir-me satisfeita com o meu dia.

Porém, há aqueles dias que acordo com uma nuvem negra por cima de mim. O que eu faço? Como reajo nesses dias? Como contorno esses dias não? Fácil, primeiro que tudo eu aceito que estou naqueles dias que não serei tão produtiva quanto os outros dias. Aceitar é o primeiro passo para resolver o problema. Não me esforço para fazer nada, faço o básico como tratar da casa, e mais aquelas tarefas que temos de fazer mas que não exigem assim muito de mim. Nem olho para o computador, nestes dias sem perfeitamente que mesmo que esteja no computador será apenas para ver notícias na internet, alguns vídeos e talvez alguns jogos. É um dia apenas para distrair e não fazer nada. Sou daquelas pessoas que não gosta de ter muitos dias assim, acabo logo por senti-me fraca e sem sentido de vida. Um dia por semana assim, por mim tudo bem, mas estar numa rotina assim constantemente deixa-me doente.

Para mim, ter um dia produtivo é chegar ao final do dia com aquele sentimento de que conseguimos fazer o que tínhamos planeado, sentir-nos realizados. Dou-vos o exemplo da semana passada, eu pretendia escrever imenso conteúdo para o mês de Outubro, há imenso conteúdo para adiantar. Acham que consegui? Nem por isso, consegui apenas escrever duas publicações e foram puxadas a ferros quentes. Há semanas assim, há dias assim. Mas, se eu puder evitar esses dias, melhor para mim. Aceito de braços abertos que todos nós precisámos de ter dias improdutivos, o nosso cérebro também merece descansar. Contudo, eu sinto-me mais feliz quando sou produtiva.

Não precisámos ser produtivos o dia todo, eu não o sou. Eu trabalho e descanso. Há mais da vida para além de trabalhar. Dou valor a cada momento, assim como sei que devo gerir o meu tempo consoante as minhas prioridades. Sou uma pessoa que gosta de manter-se ocupada, de estar constantemente a pensar numa nova ideia ou projeto. Gosto de estar com a mente ocupada, mas temos os nossos limites. Um dia de cada vez, é o mais importante. Não devemos ficar desiludidos se o dia não correr como planeado, por vezes é bom sair do plano original. Respirem, aceitem e vivam. Temos 24 horas num dia, mas não somos máquina.

    Deixar uma resposta