Literatura Opiniões Literárias

Levaram Annie Thorne de C. J. Tudor

Julho 15, 2019

Depois de ter lido O Homem do Giz admito que fiquei um pouco de pé atrás com esta autora. Tinha gostado do livro até certa medida, tinha até admirado a sua escrita, porém, havia algo que me deixava receosa quanto ao hype que rodeava a autora. Com o lançamento do seu segundo thriller, dei por mim a pensar se seria mais um êxito como o primeiro ou apenas mais um. Apesar de ter adquirido este livro logo após o lançamento, demorei imenso para realmente sentir aquele chamamento para o ler. Finalmente senti que estava na altura de o ler, peguei nele e pensei que seria desta, e foi.

Em certa parte podemos comparar Levaram Annie Thorne com O Homem do Giz. São histórias muito semelhantes e que a autora segue quase a mesma linha de raciocínio. Dei por mim a saber desde do início que não podia confiar a 100% na personagem principal devido ao primeiro livro da autora, e fiz bem. A autora tem já um certo modo de escrever os seus thrillers que não passa despercebido. Gosto disso, mas, ao mesmo tempo, detesto porque chegámos a uma altura que conseguimos prever o próximo passo da história.

Além disso, achei a história um pouco óbvia, desconfiei do final e na maioria acertei. É aquilo de nunca confiar em ninguém numa terra pequena e desconfiar de todas as personagens. Contudo, acho que este tipo de thrillers que a autora traz é uma boa opção para os leitores que não são assim muito fãs do género literário ou procura entrar neste mundo do thriller. São histórias de arrepiar, mas conseguem ser muito fáceis de ler e digerir. Não se trata de histórias pesadas que nos fazem sentir medo ao ler, podemos ficar a pensar naquilo, contudo, não são históricas macabras. Isto é apenas o que eu acho, como estou habituada a ler tanto thriller que já nem me assusto muito.

A escrita foi aquilo que mais gostei, não sei qual o motivo ao certo, mas a C. J. Tudor tem um talento enorme para prender-me às páginas do livro apenas com a sua escrita. Outro ponto aliado a isto é as personagens que são um pouco inadaptadas no meio em que existem e faz com que eu sinta um certa curiosidade por elas e por todos os seus segredos. Gostei imenso do Joe, acho que foi uma personagem bem delineada, com falhas e problemas, não é uma personagem perfeita e por isso, parece mais real.

Se vale a pena ler este livro? Digo-vos que vale, é uma história muito criativa. Gostei do rumo que tomou, e conseguiu em certo ponto surpreender-me. Tinha poucas expectativas para este livro, mas valeu a pena o ter lido. Caso não tenham gostado de O Homem do Giz, talvez não seja boa ideia avançarem para a leitura deste livro, segue praticamente a mesma linha de ação do primeiro livro, a escrita é a mesma e as semelhanças são imensas. Só se for mesmo pelo enredo que vos cative, porém, não custa nada dar uma oportunidade.

Não é dos meus thrillers preferidos, tenho de referir isso. Não seria o primeiro que eu iria recomendar-vos, provavelmente eu poderia recomendar outros como O Dia Em Que Perdemos A Cabeça que provavelmente iria chamar mais a vossa atenção e passar uma noite sem dormir. Admiro a forma como a autora consegue trazer histórias interessantes que liga tudo e todos, são sempre enredos de colocar qualquer pessoa a investigar. E sem dúvida que a autora gosta de colocar crianças em grandes problemas. Vale a pena ler para tirar as suas próprias conclusões quanto ao livro.

    Deixar uma resposta