Lifestyle

Estou no Caminho Certo?

Quando era miúda queria crescer, ser independente, ter a oportunidade de mandar na minha vida. Pobre de mim que não tinha um pingo de noção do que realmente era ser crescida. Hoje, praticamente na casa dos vinte, dou por a querer voltar a ter cinco anos e não ter responsabilidades para além de brincar, ver desenhos animados e ser criança. Com a chegada dos vinte e poucos, dou por mim a perguntar se estarem a dar o rumo correto à minha vida. Com a minha idade eu deveria ter o quê mesmo? Deveria estar a investir numa casa? Numa relação? Num trabalho? Nos estudos? O que raio deveria eu fazer com a minha vida neste momento? Eu não sei, e ninguém realmente sabe.

Acredito que muitos adolescentes quase adultos passem por esta fase, se não passaram pelo menos expliquem como contornaram este problema. É aquela mudança de poucas responsabilidades para ter de gerir tudo e mais alguma coisa. Ser adulto é algo que não te ensinam em lugar nenhum, podes apanhar uma ou outra dica por ali e acolá, mas ninguém vai dar-te a fórmula secreta de como ser um adulto. Muitos vão dizer-te que ser adulto é ires para a universidade logo que acabares o secundário com excelentes notas. Outros vão dizer que ser adulto é arranjares trabalho e pagares as tuas próprias contas. Ainda há quem diga que ser adulto é um incógnita. Eu digo-vos o que é ser adulto: é ser o que raio quisermos ser. Essa é a verdade.

Para mim ser adulto é ser independente, é claro, mas também ter aquele porto de abrigo que possa por vezes tomar as rédeas da situação quando não estamos nos nossos dias. Ser adulto é ir para a faculdade caso assim queiramos, arranjar trabalho caso seja o que precisámos ou ser o que quisermos. Ser adulto é viveres consoante aquilo que pretendes parao teu futuro, não é viveres consoante aquilo que a sociedade estipula como a vida de adulto que todos devem ter. Ser adulto é viver, com mais responsabilidades e pressões, lá isso é verdade, mas é viver à tua maneira.

Neste momento a minha vida de adulta consiste em trabalho e casa, casa trabalho. Não parece assim muito aclamativo, acreditem que não é. Faço-o porque está a ajudar-me a construir o futuro que quero. Verdade que não é o meu trabalho de sonho, mas por vezes temos de começar por nada a ver, para conseguir o tudo a ver. Com isto, olho para a minha vida e penso: tenho quase vinte, com carta de condução e carro, com um trabalho que me ajuda a pagar a maioria das minhas despesas, com um blogue que tenho conseguido manter diariamente, continuo a fazer o que mais amo: ler e escrever, e mesmo assim sinto que não tenho nada. Porém, o que eu deveria ter nesta idade? É esta a questão que me atormenta, o que eu devia ter ou não, o que deveria mudar ou não, como raio sei se estarei no caminho correto? Medos atrás de medos.

Não há livro de auto-ajuda que vos diga como devem viver a vossa vida para concretizarem todos os vossos sonhos. Sigam o vosso instinto, é o único conselho que vos tenho a dar. Caso estejam num trabalho que não vos ajuda para o vosso futuro e não se sentem bem: saiam, não se massacrem. Se foram para a faculdade e entretanto, descobriram que não é o curso ideal para a vossa vida: mudem, há mais cursos. Se querem investir num carreira a solo, correr de braços abertos para os vossos sonhos: façam-no. Só vocês podem decidir como viver a vossa vida, ninguém tem palpites a dar. Vivam como querem e sonhem.

Se formos todos atrás do típico estilo de vida de adulto, não haverá ninguém para se destacar. Se formos atrás do mesmo que os outros vão atrás, não seremos diferentes. Há que haver distinção para nos destacarmos e sermos quem sabe motivação de alguém. Isto de ser adulto é complicado, ainda estou a aprender a lidar com tanta responsabilidade e dever, mas um dia de cada vez aprendo um truque novo e sinto-me orgulhosa por estar a chegar a algum lado. Aos poucos caminho para o meu sonho, para a vida que imagino. Só eu posso fazer esse caminho, portanto, ninguém tem de dizer-me como o fazer.

Lê também

Sem Comentários

    Deixar uma resposta