Literatura Opiniões Literárias

Fantasmas da Mente de Paul Tremblay

Cada vez mais os thrillers são conhecidos cá em Portugal, fico realmente muito feliz por ser um género literário que mais pessoas apreciam. Não se trata de um género fácil de digerir, pelo menos não à primeira leitura, mas com o tempo ficámos tão habituados que parece que é preciso muito para um livro nos impressionar e arrepiar. Paul Tremblay, nunca tinha ouvido falar dele, tive conhecimento através do Stephen King, e como sabem, sendo o King um dos meus escritores preferidos eu nem pensei duas vezes antes de adquirir Fantasmas da Mente.

Antes de escrever a minha opinião, dei uma vista de olhos pelas opiniões de outras pessoas, fiquei deveras impressionada pela quantidade de pessoas que tinha admirado o livro. É um livro bom, tenho de admitir que a premissa surpreende logo nos primeiros capítulos. Somos atirados para dentro desta história e é-nos complicado sair. Dei por mim a olhar para esta história e comparar com o livro da Shirley Jackson – A Maldição de Hill House -, ambos têm caraterísticas em comum, o escritor foi muitas vezes buscar-lhe inspiração. Se terá sido a melhor inspiração? Isso já não sei, admito que o livro da Shirley deixou-me um pouco desiludida, e ao comprar as duas obras com um enredo muito semelhante percebi que este sem sombra de dúvida destacava-se, conseguiu ser mais macabro e prende o leitor de uma forma que a Shirley não conseguiu.

Achei a escrita do Paul tão simples e aditiva, ajudou-me imenso a voar pela história. Muitos associam uma escrita pesada a este género literário, eu por já estar tão habituada, nem me preocupo com isso. Se o enredo for bom e envolvente o suficiente, a escrita pode ser o mais detalhada que eu vou adorar, até prefiro assim, quantos mais detalhes melhor para a minha imaginação. Contudo, e tenho de admitir, que quando um thriller tem frases curtas e simples, a leitura voa e entrámos mais rapidamente na história. É assim que Tremblay consegue cativar os leitores. Com uma escrita deliciosa, um enredo de envolver qualquer um e personagens que nos fazem dar voltas à cabeça.

Porém, não foi daqueles livros que soube logo que iria dar as cinco estrelas. Demorei a decidir que classificação lhe dar, estava um pouco confusa. Apesar de ter gostado do livro, ter lido num ápice, achei que foram demasiadas referências. A forma como a cada página surgia uma referência a clássicos do terror, principalmente ao Exorcista. Temos realmente noção que esses detalhes são fundamentais para a história, foram a base de todos os acontecimentos, mas chega a ser aborrecido tanta referência e quase sempre as mesmas. Vemos os personagens tão fixados com comparar a história do livro com outras que ficámos à espera que algo de terror realmente aconteça, e nada.

Quanto ao final… Bem, foi o que eu já esperava. As diversas referências, e a forma como a história nos é apresentada não deixa sombra de dúvida de qual o final. Mais ou menos a cerca da metade do livro que descobri o que iria acontecer, não na totalidade, mas desconfiei e acertei na maioria. Achei um final muito previsível, esperava um bocadinho mais. Foi mais um ponto que me fez pensar e repensar na classificação que lhe iria dar. Apesar da escrita que cativa, do enredo envolvente e personagens que nos fazem querer arrancar a cabeça, o livro para mim não merece as cinco estrelas. Na minha opinião, dou-lhe umas quatro estrelas, mas acredito que está mais a puxar para as três estrelas e meia.

Recomendo-vos esta leitura, principalmente para alguém que queira explorar o género literário. É uma leitura simples e que não vos será difícil de processar. Tem alguns elementos de terror, mas não são assim muito macabros. Um bom livro para se ler agora durante o verão para causar alguns arrepios. É um livro para os fãs de Shirley Jackson e Exorcista.

Lê também

Sem Comentários

    Deixar uma resposta