Literatura Opiniões Literárias

E Se Apenas Pudesse Dizer 100 Palavras Por Dia?

Maio 2, 2019

Já se passaram dois meses desde que li um dos livros mais aclamados e falados de 2019. Vox de Christina Dalcher foi o que eu digo o típico sucesso de publicidade. Demorei imenso para conseguir organizar os meus pensamentos quanto a esta história. É uma leitura complicada para descrever, os meus sentimentos e pensamentos ainda estão um pouco confusos. Mas eu realmente queria partilhar com vocês este livro. Para além de ter havido grande alarido à volta deste título, foi o escolhido para o #NetBookClub de Fevereiro.

A grande questão é: Vox é assim tão bom quanto fazem parecer? Digo-vos: não se iludam. A sinopse é incrível, cativa qualquer pessoa. A forma como a publicidade gerada foi tão forte, souberam fazer uma boa campanha de marketing. Tanto lá fora, como aqui em Portugal. Avancei para esta leitura com algumas expectativas, não temos assim muitos livros com esta premissa, para mim, seria o próximo manifesto feminista. Para além das diversas opiniões positivas que andava a ler de diversas bloggers.

Um grande porra para mim que mais uma vez deixei-me levar pelas campanhas de marketing. Admito-vos já que foi mais hype do que realmente uma boa história. Se ao início ficámos todos animados com esta premissa, com a forma como a história tem início, à medida que avança todas as nossas expectativas vão por água abaixo. A própria personagem principal acaba por ser um pouco de maçadora e irritante. Porém, tenho de admitir que muitas das passagens deram-me uma revolta imenso, consegui sentir o medo e a forma como a protagonista sentia-se presa a uma vida que nunca foi o que ela queria. A história não é apenas isto, vemos vários momentos que ficámos assustados, a forma como a escritora conseguiu transmitir o terror foi impressionante. O mesmo não posso dizer quanto a descrições. Temos aqui uma escrita que não achei assim tão boa, esperava um pouco melhor.

Pode interessar-te: Opinião do livro Carta À Minha Filha de Maya Angelou

E as personagens? São confusas, a própria personagem principal confunde-se a si própria. É daquelas personagens que nos irrita porque diz querer o melhor para todos e depois faz outra coisa. Para já, sem falar que todas as desconfianças para com o marido que lutava pelo bem estar dela e dos filhos, e depois ser ela fazer o que fez… O final deixou-me triste, eu realmente gostava do marido dela, achei uma personagem cativante e no fim… Ajudou a que eu não ficasse surpreendida e sim desiludida.

Porém, há diversas passagens que sublinhei e são importantes. Acima de tudo é uma história feminista. A mensagem que passa, a forma como isto acontece e poderá vir a acontecer no futuro próximo. Esperava uma história mais revoltante, mais assustadora… Não foi o tal manifesto feminista que estava à espera, não conseguiu surpreender-me. Não deixo de recomendar o livro, vale a pena dar-lhe uma oportunidade apenas para ver e ter uma ideia de como seria se não houvesse liberdade. Recomendo-vos a não avançarem para esta leitura com muitas expectativas, comecem a leitura de mente vazia: como uma folha de papel em branco.

  • Reply
    Ana
    Maio 2, 2019 at 10:44

    Curiosamente, nunca tive grande vontade desse livro e pelo que contas não perco grande coisa.
    Beijinhos,

    https://sobomeuolhar7.blogspot.com/2019/05/maio-em-7-palavras.html

    • Reply
      Daniela
      Maio 8, 2019 at 18:50

      Não digo que seja um livro mau, a mensagem que passa é boa e é um livro que muitas vezes nos dá uma certa raiva. Ficámos a pensar “e se acontecesse comigo, o que faria?”. É uma leitura que causa um misto de emoções, mas mesmo assim, recomendo a leitura. O melhor método talvez seja começar a ler sem quaisquer expectativas.

Deixar uma resposta