Opiniões Séries TV Shows

O Desaparecimento de Madeleine McCann

Sexta-feira passada, dia 15 de Março, o mundo parou com o novo documentário do mais famosos caso de desaparecimento que deu e dá que falar. Madeleine McCann. Admito que quando vi o anúncio de um documentário na Netflix, não fiquei de todo com vontade de ver. Conhecia o caso, é complicado não o conhecer, mas não estava de todo por dentro de grande parte dos detalhes. Acabei por começar a ver o documentário no dia do lançamento, fiz uma mega maratona e durante o fim de semana vi todos os episódios.

Lembro-me que na altura que a Maddie desapareceu eu tinha cerca de 7 ou 8 anos, e estava na sala a ver televisão quando partilhar a notícia em todos os canais. Apesar de não me lembrar de muita coisa da minha infância, aquele acontecimento marcou-me de uma forma inexplicável. Se a uma criança marcou, imaginem a quem viveu a situação de perto. Com o passar do tempo via uma ou outra notícia sobre o caso, não procurava saber detalhes, até que durante o ano passado e este ano começou a ver “Teorias da Conspiração” e num desses vídeos que encontrei no YouTube estava o caso da Madeleine McCann. Pessoas sem conhecimento algum, no ramo de investigação, falavam do caso e partilhavam teorias. Muitas pareciam deveras absurdas, porém, outras chegaram a convencer-me.

Agora, como o lançamento deste documentário, acredito que virá para tirar algumas dúvidas e de certo modo, para deixar outras. Um caso que correu mundo. Que tornou Portugal o palco de tanta atenção, não por um bom motivo, mas marcou a história do país. Contam-nos diversos detalhes ao longo dos episódios, desde os pais terem sido incriminados a pedofilia. Temos ainda a forma como a impressa lidou com o caso, e a polícia.

Nos primeiros episódios acredito que senti uma revolta imensa. A forma como a polícia lidou com o caso não foi a melhor, e a forma como os pais e todos aqueles que queriam ajudar lidaram com o caso também não foi a melhor. Estando numa cena de crime, quanto menos ela for contaminada melhor, mas como a polícia descreveu estavam milhares de pessoas a entrar e a sair do apartamento dos McCann. Claro que isto não facilita a investigação. Para além disto temos de admitir que a nossa polícia não está de todo habituada a casos deste género, temos diversos casos de crianças desaparecidas que a polícia não foi por aí além. Não digo que não tenhamos competências para tal, mas vemos muitos casos onde a polícia preocupa-se apenas em arranjar um culpado e não a entender realmente a história e como pode tudo ter acontecido.

Os jornalistas são aquelas pessoas que apesar de apenas estarem a fazer o seu trabalho, acredito que conseguiram complicar muito mais. A forma como espalhavam notícias como se fossem totalmente verídicas, como nem se preocupava em averiguar os factos. Como invadiam o espaço privado seja da família, ou dos suspeitos, até da polícia. Não facilitariam muito, por outro lado, ajudaram em outros aspetos. Fizeram com que a informação chegasse a todas as pessoas espalhadas pelo mundo que se preocupavam em saber o desfecho da história da menina, a todos aqueles que esperavam por um milagre.

Se cheguei a considerar os pais culpados? Cheguei, várias vezes, mas à medida que o documentário avançava percebi que eles não podiam ter realmente nada a ver com o caso. Em parte foram culpados, deixar crianças sozinhas num apartamento num país desconhecido não é nada que, na minha opinião, se deva fazer. É preciso muita coragem para fazer isso, e eu apesar de não ser mãe, sei que não seria capaz de deixar assim as minhas crianças sozinhas. Mas, quem sou eu para julgar os pais?

Se recomendo o documentário? Claro que sim, é sempre bom ver os diversos lados da investigação. São entrevistas diversas personalidades portuguesas envolvidas no caso, temos uma pequena noção de como as coisas se desenrolaram ao longo dos anos de investigação… Acredito que um dos principais motivos deste documentário é fazer chegar às pessoas que os McCann não tiveram mesmo nada a ver com o desaparecimento, e que talvez haja o milagre de encontrarem a Maddie através deste meio. Assim, as pessoas que já tinham esquecido o caso voltam a lembrar-se e talvez tenham informações valiosas. Para além disso, o documentário fala de diversas redes de pedofilia, mostra que apesar de todos saberem que acontece, muitos ignoram esse facto. Principalmente o estado que gasta milhares em armas para guerras e para abater redes de tráfico humanos, de crianças e pedofilia, quase nem mexe um único dedo.

Porém, nem tudo é perfeito, houveram diversos momentos durante o documentário que achei totalmente chatos e aborrecidos. Foi complicado não adormecer a ver o documentário, o tema interessava-me, vejo diversos documentários do género, mas este apesar de ser comovente, deixou-me num estado de aborrecimento inexplicável. É um bom documentário para assistir, é emocionante e toca no coração de qualquer um. Mas, para quem está habituado a ver tantos documentários de crimes reais, parece um rebuscado…

Vejam o documentário, procurem absorver cada detalhe e tirar as vossas próprias conclusões com parte nas provas apresentadas. Há casos de crianças que desapareceram e que foram encontradas passados anos e anos. A Madeline pode estar viva, ou não… Não sabemos, e é isso que deixa as pessoas mais frustradas, não saber o que realmente aconteceu. Por isso, resta-nos ter esperança que um dia seja possível descobrir toda a verdade e que a Madeleine McCann, seja devolvida à família.

Lê também

2 Comentários

  • Reply
    Inês
    Março 18, 2019 at 20:02

    Confesso que vi os dois primeiros episódios e achei tão aborrecido que não consegui continuar. Os episódios são demasiado longos e com algumas entrevistas que não acrescentam nada ao caso.

    • Reply
      Daniela
      Março 19, 2019 at 13:01

      Sim, isso é verdade. Eu quis ver até ao fim para ver o que poderia descobrir de novo. Não é assim nada de outro mundo, mas é algo diferente para se ver.

Deixar uma resposta