Literatura

Literatura | O Poder – Naomi Alderman

Vou já pedir desculpa caso esta opinião esteja um pouco confusa. Tenho de admitir que gostei e ao mesmo tempo não gostei do livro. Senti que a ação do livro decorreu muito lentamente e a certo ponto tornou-se cansativo de ler. Temos vários protagonistas: Roxy, Allie, Tunde e Margot. A história para além de ser lenta, não nos dão muita informação acerca dos personagens. Recebemos uma ou outra informação, mas senti várias dificuldades a recriar as personagens na minha cabeça.

De todos estes protagonistas foi complicado conseguir gostar de um, apesar de tudo achei-os personagens um pouco aborrecidas e a certo ponto não achei que houvesse diferenças entre ambos. Se tiver de escolher uma personagem sem dúvida que vou escolher a Roxy, de todas foi a que mostrou ser a guerreira. Claro que sabíamos desde do início que a certo ponto as personagens iriam cruzar-se, mas pela via das dúvidas ainda aceitei a hipótese de tal não acontecer. Aconteceu claro, e após todos terem-se conhecido eu passei a gostar imenso do Tunde e mais ainda da Roxy.

O Poder pretende mostrar como seria se por acaso as mulheres assumissem a liderança da sociedade. A verdade é que o livro mostra-nos uma sociedade muito parecida à que temos, a única diferença é serem as mulheres no poder. As mulheres na política, na religião, no exército, em todo o lado. Gostei imenso de ver a forma como abordaram a religião caso as mulheres estivessem no poder. O facto de passarem a ver Deus como uma figura feminina e não masculina foi sem dúvida importante para este livro. Se na nossa sociedade chamam às mulheres o sexo mais frágil, este livro trata os homens como o sexo mais frágil e foi deveras estranho e bom ver os homens a passar por aquilo que as mulheres passam.

Tem sem dúvida de destacar este aspecto: Naomi consegui passar uma mensagem intensa e com um pouco de verdade, o excesso de poder por vezes pode dar a volta à cabeça. Temos conhecimento de vários casos verídicos, e no livro falam nisso: o facto de tanto poder ser tentador. Todos querem ser poderosos, fazem tudo para ter o poder, deixam-se levar e nem pensam nas consequências. Chega a um ponto que todos apenas preocupam-se com o poder e deixam de lado o que realmente importa: melhorar a sociedade e trazer condições para todas as mulheres.
Se estão à espera de um livro que traga uma história sobre mulheres com um mundo justo e igualdade entre géneros: não temos nada disso aqui. Mostra que o ser humano é fraco perante tanto poder, que quanto mais poder menos possibilidade de haver igualdade existe. O livro mostra que independentemente de quem esteja no poder, homens ou mulheres, vão todos aproveitar-se de tanto poder. Nenhum dos géneros irá procurar uma sociedade melhor, o poder acabará sempre por subir à cabeça. 
O final que para meu gosto foi demasiado aberto. Não bastou a história ser tão lenta e tínhamos de ter um final aberto para deixar o leitor ainda mais confuso. Claro que com um final tão aberto ficaram mil e uma questões por responder. Não vou deixar de recomendar este livro, trata-se de um livro com um tema intenso e que cada um terá a sua opinião. Um dos temas de maior debate hoje em dia é o feminismo e acho que em certo ponto este livro merece ser lido para ter um outro ponto de vista da situação. É quase como uma leitura obrigatória tanto para mulheres como para homens.

Sinopse: Quando as raparigas ganham o poder de causar sofrimento e morte, quais serão as consequências? 


E se, um dia, as raparigas ganhassem subitamente o estranho poder de infligir dor excruciante e morte? De magoar, torturar e matar?
Quando o mundo se depara com esse estranho fenómeno, a sociedade tal como a conhecemos desmorona e os papéis são invertidos. Ser mulher torna-se sinónimo de poder e força, ao passo que os homens passam a ter medo de andar na rua, sozinhos à noite.
Ao narrar as histórias de várias protagonistas, de múltiplas origens e estatutos diferentes, Naomi Alderman constrói um romance extraordinário que explora os efeitos devastadores desta reviravolta da natureza, o seu impacto na sociedade e a forma como expõe as desigualdades do mundo contemporâneo.”
Editor: Saída de Emergência | ISBN: 978989773104  | Páginas: 368 | Classificação: 3,5 em 5 Estrelas
Uma leitura com o apoio:

Lê também

2 Comentários

  • Reply
    Angie
    Outubro 20, 2018 at 15:46

    Recomendo imenso, é um livro diferente do que temos hoje em dia acerca do feminismo. Acredito que vá gostar imenso! Obrigada pela sua visita <3

  • Reply
    Rita C
    Outubro 15, 2018 at 09:09

    Não conhecia 🙂

Deixar uma resposta