Lifestyle

Geração do Amor à Primeira Vista

Outubro 13, 2018
Cada vez mais sinto que não me identifico de todo com os jovens da minha idade. São atitudes infantis, que nunca na vida passaria pela cabeça de alguém. Não me acho mais adulta que ninguém, mas acho que chega a uma idade que temos de crescer e deixar as infantilidades no berço.
Chamo a esta geração de amor à primeira vista porque apaixonam-se a cada olhar que trocam. Não estou a brincar. Se trocam um olhar com alguém nos transportes públicos já imaginam toda uma história de amor com direito a filhos, cães e casa de sonho. Num dia estão com uma pessoa, o suposto amor da vida deles e no dia seguinte estão a dizer “amo-te” a outra pessoa. Desde quando a sociedade passou a ser tão vazia de sentimento?
Diariamente dou de caras com relações tão vazias na internet. Admiro-me por amigos meus caírem nestes romances de apenas horas. Conhecem-se e rapidamente estão a viver juntos se for preciso.Vão viver juntos tão rápido que nas primeiras 24 horas juntos já tiveram mais brigas e discussões que numa vida inteira. E é esta a realidade: temos de conhecer bem a pessoa que queremos a nosso lado, não é apenas um café que irá dar-te a conhecer a pessoa. Não que tenha alguma coisa contra, pelo contrário, sou toda a favor do amor. Mas, atitudes precipitadas acho um bocado demais. Por mais que tente chamar a atenção dos meus amigos é como falar com uma porta. Ficam apaixonados e não querem saber de mais nada, amor à primeira vista e acabou.
Não sei se serei a única, mas sinto que as relações hoje em dia vivem de discussões. É complicado para mim, conseguir entender como conseguem estar com uma pessoa que discutem e essa pessoa não se mexe para resolver a situação. Apenas um a tentar resolver os problemas da relação: ou trabalham os dois na relação ou então acabou. E não se trata apenas disto, existem milhares de relações abusivas que muitos aceitam como normais apenas porque não querem terminar tudo. E, porque não querem terminar? Porque dizem que é apenas uma fase, que já viveram um romance digno de um livro e um filme, um namoro à la Nicholas Sparks. Merecemos isto? Claro que não!
Algo que tenho vindo a debater cada vez mais com amigos e família até, é por que motivo os adolescentes têm tantas relações amorosas. A verdade ninguém sabe, é como dizem: cada um sabe de si. Mas na minha opinião acredito que isto acontece por que a certo ponto os adolescentes sentem-se tão vazios e sobrecarregados que precisam de uma distracção, é aqui que dão-se as relações sem amor e que apenas ficam juntos por estar. Vou sublinhar que há imensas relações que começam na adolescência e que realmente dão certo para a vida toda, e não há nada mais bonito que isso. Porém, há outras que notámos a quilómetros de distância que não há química.
Vivemos numa Geração de Amor à Primeira Vista. Uma geração que apaixona-se mais rápido que a Netflix a passar para o episódio seguinte. Uma geração que acha que toda a troca de olhares é amor para a vida toda. Uma geração que vive com alguém apenas porque não quer estar sozinho. Uma geração que desvaloriza o valor que a palavra “amo-te” tem. Uma geração que parece não saber amar. Mas, de quem será a culpa? Nossa, ou do mundo em que vivemos?
  • Reply
    Angie
    Outubro 14, 2018 at 10:07

    Infelizmente! 🙁

    Obrigada pela tua visita, beijinhos <3

  • Reply
    Angie
    Outubro 14, 2018 at 10:06

    É o que mais vemos, são tantos casais assim que os "normais" escapam à vista. Parece que agora todas as relações têm de ser vazias e sem amor. Isso faz-me imensa confusão. Infelizmente as coisas mudam e nem sempre é para melhor.

    Obrigada pela tua visita, beijinhos <3

  • Reply
    Liliana Silva
    Outubro 13, 2018 at 12:55

    Completamente verdade!

  • Reply
    Patrícia Lobo
    Outubro 13, 2018 at 10:08

    Angie, concordo muito contigo nas palavras que escreveste. Eu também sou da opinião que as relações de hoje são vazias e sem aquele romance verdadeiro. Sei que há excepções à regra, mas no geral, é também essa a impressão com que fico. Tenho pena que assim seja, mas também não sei de quem é a culpa… Simplesmente, as coisas mudam…

Deixar uma resposta